Fechamento do Napster

Em janeiro de 1999, Shawn Fanning, com 18 anos, abandona a universidade para desenvolver o software que ganharia o nome de Napster e em junho do mesmo ano, o Napster é lançado na internet. Este foi o programa de compartilhamento de arquivos em rede P2P que protagonizou o primeiro grande episódio na luta jurídica entre a indústria fonográfica e as redes de compartilhamento de arquivos na internet. Compartilhando, principalmente, arquivos de música no formato MP3, o Napster permitia que os usuários fizessem o download de um determinado arquivo diretamente do computador de um ou mais usuários de maneira descentralizada, uma vez que cada computador conectado à sua rede desempenhava tanto as funções de servidor quanto as de cliente.

O Napster visava facilitar a forma como se obter músicas MP3 na Internet. Nesta época, isso não era tarefa fácil, era preciso domínio de muitas ferramentas, esforço e sobretudo paciência. Foi então que Shawn Fanning teve a brilhante ideia de criar um meio de possibilitar que os usuário pudessem compartilhar suas coleções de músicas diretamente entre si.

O Napster começou a ganhar popularidade já no início de 2000 quando também veio a se tornar uma empresa. Novas versões eram lançadas mensalmente e o número de usuários quadruplicava todas as semanas. Em seu auge, em janeiro de 2001, o Napster teve um pico de 8 milhões de usuários conectados trocando diariamente um volume estimado de 20 milhões de músicas.

Em 2000, os integrantes do Metallica descobriram que uma versão demo de sua canção “I Disappear“, composta para ser trilha sonora do filme Missão Impossível 2, estava tocando nas rádios. A banda descobriu, então, que todo seu catálogo havia sido livremente disponibilizado na rede P2P do Napster. O Metallica iniciou uma ação judicial contra o Napster, alegando três violações: violação de direitos autorais, utilização ilegal de interface dispositivo de áudio digital, e Racketeer Influenced and Corrupt Organizations Act.

Ações legais também foram iniciadas contra a Universidade de Yale, Universidade do Sul da Califórnia e Universidade de Indiana, por não bloquearem o Napster em seus campi. No ano seguinte, ambas as partes concordaram em um acordo fora dos tribunais que levou ao bloqueio de contas de utilizadores do Napster e, assim, o Metallica não precisou processar diretamente indivíduos por violação de direitos autorais.

A controvérsia gerou muitas críticas ao Metallica na internet, fato esse que levou Lars Ulrich a aparecer no MTV Video Music Awards de 2000, em um vídeo com o apresentador daquele ano, Marlon Wayans, no qual procurava arruinar a ideia de compartilhamento de música via Napster, comparando esta prática a um roubo. Marlon interpretava um estudante universitário sentado em seu dormitório, ouvindo “I Disappear” do Metallica. Ulrich, então, interpretando a si mesmo, aparece e o acusa de roubar suas músicas. Wayan diz que estava apenas “compartilhando” (ironicamente entre aspas), e Lars responde chamando sua equipe para confiscar todos os pertences de Wayan, deixando-o quase nu em um quarto vazio.

Imagem de Amostra do You Tube

O criador do Napster Shawn Fanning respondeu posteriormente à cerimônia ao apresentar um prêmio vestindo uma camiseta do Metallica, e dizendo “Eu peguei esta camisa emprestada de um amigo. Talvez, se eu gostar dela, irei comprar uma própria”.

Imagem de Amostra do You Tube

O desgaste da imagem da banda junto a seu público foi grande, já que a banda iniciou sua carreira na cena underground com a troca de bootlegs de suas apresentações.  A defesa da banda alegava que o Napster estava permitindo acesso livre a todo o seu catálogo e não somente os bootlegs ao vivo.

Em julho de 2001, o Napster não resistiu a uma série de ações legais e o serviço foi fechado em março. Várias companhias da indústria fonográfica decidiram processar o serviço, acusando-o de promover a pirataria e possibilitar a troca de arquivos de áudio protegidos por copyright. Os servidores do Napster foram desligados após uma batalha judicial travada entre seus operadores e a Recording Industry Association of America (RIAA) e, em dezembro de 2002, foi o Napster acabou sendo comprado pelo grupo Roxio, fabricante de softwares para gravação de CD e DVD, que passou a vender músicas arquivadas aos usuários. Em suma, a rede P2P do Napster foi transformada numa rede cliente /servidor.

No início da década de 2000, apesar de artistas como os do Metallica unirem-se à batalha contra o file sharing, já era possível encontrar artistas com opinião contrária, defendendo a forma utilizada pelo público para consumo da música. Tom Morello, da banda Rage Against The Machine, é um exemplo. Quando a Sony, proprietária legal dos direitos de suas músicas, utilizou o Digital Millenium Copyright Act (DMCA), para bloquear usuários que compartilhavam faixas do álbum Renegades por meio do Napster, Morello declarou-se totalmente ofendido com a decisão de sua gravadora, anunciando que outras faixas em MP3 estariam disponíveis para download na site da banda.

Mas a revolução não acabou e mudou a indústria fonogáfica para sempre: isso porque novos programas que faziam o mesmo que o Napster surgiram no mesmo ano – Kazaa, eDonkey, Morpheus, Audiogalaxy. Mais tarde o Pirate Bay entraria na cena, protagonizando novos e importantes capitúlos dessa história.

m janeiro de 1999, Shawn Fanning, com 18 anos, abandona a universidade para desenvolver o software que ganharia o nome de Napster e em junho do mesmo ano, o Napster é lançado na internet. Este foi o programa de compartilhamento de arquivos em rede P2P que protagonizou o primeiro grande episódio na luta jurídica entre a indústria fonográfica e as redes de compartilhamento de música na internet. Compartilhando, principalmente, arquivos de música no formato MP3, o Napster permitia que os usuários fizessem o download de um determinado arquivo diretamente do computador de um ou mais usuários de maneira descentralizada, uma vez que cada computador conectado à sua rede desempenhava tanto as funções de servidor quanto as de cliente.

O Napster visava facilitar a forma como se obter músicas MP3 na Internet – nesta época, isso não era tarefa fácil, era preciso domínio de muitas ferramentas, esforço e sobretudo paciência. Foi então que Shawn Fanning teve a brilhante idéia: “Que bacana que seria se todo mundo pudesse compartilhar suas coleções de músicas e baixar novos arquivos MP3 diretamente nos computadores dos outros usuários”.

O Napster começou a ganhar popularidade já no início de 2000 quando também veio a se tornar uma empresa. Novas versões eram lançadas mensalmente e o número de usuários quadruplicava todas as semanas. Em seu auge, em janeiro de 2001, o Napster teve um pico de 8 milhões de usuários conectados trocando diariamente um volume estimado de 20 milhões de canções.

Em 2000, os integrantes do Metallica descobriram que uma versão demo de sua canção “I Disappear“, composta como trilha sonora do filme Missão Impossível 2, estava tocando nas rádios. Após descobrir a fonte de distribuição, a banda encontrou o arquivo na rede P2P do Napster, e também descobriram que todo seu catálogo foi livremente disponibilizado. O Metallica iniciou uma ação judicial contra o Napster, alegando três violações: violação de direitos autorais, utilização ilegal de interface dispositivo de áudio digital, e Racketeer Influenced and Corrupt Organizations Act.

Ações legais também foram iniciadas contra a Universidade de Yale, Universidade do Sul da Califórnia e Universidade de Indiana, por não bloquearem o Napster em seus campi. No ano seguinte, ambas as partes concordaram em um acordo fora dos tribunais que levou ao bloqueio de contas de utilizadores do Napster, e o Metellica não iniciou ações legais contra indivíduos por violação de direitos autorais.

Esta controvérsia gerou muitas críticas ao Metallica na internet e então Lars Ulrich apareceu no MTV Video Music Awards de 2000, em um vídeo com o apresentador daquele ano Marlon Wayans, no qual procurava arruinar a ideia de usar o Napster para compartilhar música. Marlon interpretava um estudante universitário sentado em seu dormitório, ouvindo a canção “I Disappear” do Metallica. Ulrich, interpretando a si próprio, aparece e o acusa de roubar suas músicas. Wayan diz que estava apenas compartilhando, e Lars replica chamando sua equipe de turnê, que confisca todos os pertences de Wayan, deixando-o quase nu em um quarto vazio. O criador do Napster Shawn Fanning respondeu posteriormente à cerimônia ao apresentar um prêmio vestindo uma camiseta do Metallica com os dizeres “Eu peguei esta camisa emprestada de um amigo. Talvez, se eu gostar dela, irei comprar uma própria”.

O desgaste da imagem da banda junto a seu público foi grande, já que a banda iniciou sua carreira na cena underground com a troca de bootlegs de suas apresentações. Esse fato fez com que a imagem da banda, que já estava arranhada pelos dois álbuns de estúdio anteriores, ficasse ainda mais comprometida junto a seus fãs mais antigos. A defesa da banda era que o Napster estava permitindo acesso livre a todo o seu catálogo e não somente os bootlegs ao vivo.

Em julho de 2001 não resistiu a uma série de ações legais e o serviço foi fechado em março. Várias companhias da industria fonográfica decidiram processar o serviço, acusando de promover a pirataria e possibilitar a troca de arquivos de áudio protegidos por direito autoral. Os servidores do Napster foram desligados após uma batalha judicial travada entre seus operadores e a Recording Industry Association of America (RIAA) e, em dezembro de 2002, foi comprado pelo grupo Roxio, fabricante de softwares para gravação de CD e DVD, e passou a vender as músicas arquivadas aos usuários. As grandes empresas da indústria fonográfica, como a Sony e a Warner acusaram o Napster de violar a Lei de Copyright, ajudando a disseminar ilegalmente arquivos protegidos por tal lei. A banda Metallica se declarou publicamente contra o Napster. O baterista da banda, Lars Ulrich, tomou a frente das acusações, movendo ações legais contra o software. Se no início do ano de 2001, artistas uniram-se à batalha contra o file sharing, no cenário musical era possível encontrar artistas com opinião contrária, defendendo a forma utilizada pelo público para consumo da música. Tom Morello, da banda Rage Against The Machine, é um exemplo. Quando a Sony, proprietária legal dos direitos de suas músicas, utilizou o Digital Millenium Copyright Act (DMCA), Lei dos Direitos Autorais do Milênio Digital, em português, para bloquear usuários que compartilhavam faixas do álbum Renegades por meio do Napster, Morello foi declarou-se totalmente ofendido com a decisão de sua gravadora, anunciando que outras faixas em MP3 estariam disponíveis para download na site da banda.

Mas a revolução não acabou e mudou a indústria fonogáfica para sempre: isso porque novos programas que faziam o mesmo que o Napster surgiram no mesmo ano – Kazaa, eDonkey, Morpheus, Audiogalaxy.